Top picks

sample67

Diarinho

sample84

Resenhas

sample68

Brasil x EUA

sample68

Viagens

sample68

Listas

Mostrando postagens com marcador Celular. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Celular. Mostrar todas as postagens

Precisamos falar sobre Pokémon GO

Eu fui uma daquelas crianças que cresceu assistindo a Rede Manchete e todo tipo de animação que deixaria o mundo-politicamente-correto-que-adora-interferir-na-educação-do-filho-dos-outros de hoje em dia, de cabelo em pé. Os desenhos da época, que depois da falecida tiveram de ser acompanhados no Cartoon mesmo, continham toda uma lista de corrompimento de criancinhas; armas, tortura, sangue, nudez, objetificação do corpo feminino, violência, violência e mais violência.

Pokémon, apesar de fofinho, não fugia muito a regra; um menino de 10 anos saía sozinho pelo mundo, capturando e aprisionando animais silvestres, para colocá-los em batalhas uns contra os outros, por seu benefício próprio. Pois é, qualquer defensor dos animais (eu!) ficaria escandalizado com a remota possibilidade de "incentivo", mas eram os anos 90 e, graças aos deuses, ainda não existia Facebook, textão ou problematizações diversas. O resultado? A maioria das pessoas enxergava o anime como ele realmente era (um desenho, nada mais), e, no fim, acredite ou não, sobrevivemos.

justiça seja feita, o desenho também ensinava sobre amizade e amor aos animais

Anos se passaram, as crianças cresceram, doaram suas figurinhas e brindes do guaraná caçulinha (;__;), e, por fim, abandonaram o sonho de se tornar um Mestre Pokémon. Tudo bem que jogos continuaram a ser produzidos, mas a vibe já não era mais a mesma, pelo menos não para muitos fãs antigos.

Foi aí que uma empresa chamada Niantic, juntamente com a já-meio-mal-das-pernas Nintendo, resolveram ressuscitar as criaturinhas em forma de um jogo de realidade aumentada para celular, no qual você pode sair pela sua cidade capturando pokémons virtuais.
Pra quê.
Eu já sabia que seria algo que eu gostaria muito de jogar, mais em nome dos velhos tempos, que pelas reviews não muito animadoras. De fato, depois que deixaram claro que não haveria batalha com pokémons selvagens, e que, mesmo as presentes no jogo, não seriam por turnos (como nos jogos clássicos), meu coraçãozinho murchou. Talvez não fosse dessa vez que eu relembraria meus anos catchin'em all.
Mesmo com essa pequena desconfiança, baixei o aplicativo no primeiro dia de lançamento. A ideia toda era sair de casa, então fui caminhando pelo condomínio, enquanto o jogo pedia para que eu escolhesse meu inicial. Já tinha ouvido falar das dificuldades de se encontrar espécies de água em lugares seco como Utah, então resolvi ir de Squirtle, me sentindo um tantinho traidora pela minha infância e meus anos como treinadora de Charmanders.

Inicial escolhido, prossegui a caminhada e, assim como Ash Ketchum da cidade de Pallet, encontrei meu primeiro Pidgey. Como que por instinto, lancei a pokébola, cruzei os dedos para o bichinho não sair, a pokébola deu uma tremidinha, ele não saiu.  Novo registro na sua pokédex, dizia o jogo, e me animei absurdo. Andei um pouquinho mais a frente, me deparei com um Rattata; mais uma pokébola lançada, mais uma mini torcidinha, e era isso, já estava apaixonada.

uma ponyta no meio do caminho; um drowzee na rua de casa; meu primeiro ginásio

Pokémon GO mudou tanto a rotina aqui de casa que, eu, com minha carteirinha do clube de sedentários, agora saio para correr ou caminhar ao menos duas vezes por dia. De manhãzinha é uma caminhada mais leve até a praça, para abastecer meus itens no PokéStop, e, à noite, com o noivo, adquirimos o costume de sair por aí e descobrir novos parques e áreas verdes. Ele, que não acompanhou o desenho quando criança, já sabe o nome de, pelo menos, uns 20 bichinhos e seus "graus de raridade". E ainda parte para a liderança na hora de lançar as pokébolas, "ah, deixa eu, Ká!", enquanto o fisioterapeuta, que aconselhou caminhadas para melhorar suas dores nas costas, saltita de feliz.

só um dos pores do sol que jogar pokémon GO tem me proporcionado

Não só as melhoras no campo das atividades físicas, o jogo ainda possibilitou uma interação com desconhecidos que eu jamais teria em outra situação. Ou seja, fiz até amiguinhos ♥. Gente me puxando de lado no shopping para perguntar como o jogo funciona, gente dando dicas de onde eu posso encontrar determinada criatura, gente programando encontrinhos no facebook, gente que grita, no meio do parque, um pokémon que acabou de aparecer e faz todo mundo se juntar ali, com um objetivo bobinho, eu sei, mas leve e divertido. Quem conhece os americanos, e sabe o quão fechados eles são com estranhos, pode imaginar o quão inovador essa dinâmica do jogo acabou sendo.

O jogo tem pontos negativos? Tem. E esse artigo aponta exatamente os que me incomodam. Mas o jogo pode ser usado para o bem? Também. E esses são só al-gu-ns exemplos de como Pokémon GO está aumentando a incidência de amor na sociedade.
Não esqueça de usar protetor solar e levar uma garrafinha com água para suas caçadas. E aproveite, enquanto caminha, para usar o app Wooftrax, que faz doações para abrigos de animais baseado nas suas passadas :). Bora pegar todos!

Resenha: Samsung S7

Quando comprei o IPhone 5c, a minha intenção era passar, no mínimo, uns 5 anos com ele. Não sou de trocar celular com frequência e tinha acabado de aposentar meu Samsung S3 de guerra, quando ele apagou completamente, depois de passar pelo menos um ano com a tela soltando pedacinhos.

Por esse trauma com a tela quebrada, minha escolha pela Apple foi pura e simplesmente baseada na resistência. E deu certo; o Iphone 5c voou, capotou, despencou - de variadas alturas, em diferentes superfícies -, e continua quase intacto.

iphone 5c: um dos poucos arranhões, depois de mais de 1 ano sem capinha (foto tirada com o s7)
Acontece que o meu 5c é brasileiro de corpo, alma e Anatel, e parece não suportar o clima da nova casa. Toda vez que eu saía na neve, a bateria descarregava em questão de minutos. Tudo bem, pensei em comprar uma bateria genérica no ebay e trocar eu mesma, com ajuda daqueles tutoriais super profissionais do Youtube, que usam um secador de cabelo (?) para abrir a tampa.

Foi aí que, um belo dia, dando uma voltinha na Best Buy, reparei nos novos Samsung. Ok, boa fluidez, ok, temas personalizáveis, ok... que câmera! Ali na loja mesmo bati uma macro de dar inveja ao meu IPhonezinho. Já tinha brincado mil vezes com os novos celulares na loja da Apple e nenhum tinha me impressionado a ponto de desistir da ideia de apenas trocar a bateria do meu. Pronto, fiquei com aquele Samsung na cabeça.

Eu já vinha pensando em comprar uma câmera melhorzinha há algum tempo, mas me incomodava muito a ideia de viajar por aí carregando um peso, quando sou aquela pessoa que já tem gastura só de sair de casa com um casaquinho a tiracolo. Veja bem, como usuária casual, achei que seria muito esforço só para tirar umas fotinhos de vez em quando.

No fim, acabei ganhando o S7 no Dia dos Namorados. Estou adorando e ainda tentando entender como aguentei tanto tempo sem memória expansível, sem explorador de arquivos, sem ícones personalizáveis, cheio de complicações na hora de colocar vídeos e músicas, e com toda aquela poluição de aplicativos na Home.

apaixonada por esse tema "Sunday Morning" - gatinho olhando pela janela e ícones brancos com corações
Sobre as quedas, tive de colocar uma proteção na tela e prometer a mim mesma jamais tirar a capinha, já que dá para sentir o material-vagabundo a fragilidade do aparelho. Também não acho ele muito bonito comparado aos Iphones (perfeito aquele ouro rosé ♥ ♥ ♥), mas, além do preto ser discreto, pelo menos a versão não-edge é compacta e fácil de manusear.

Não testei mergulhá-lo na água (nem vou, que desespero), e também não gostei da recarga rápida (o celular chega a ferver!), mas já tirei algumas fotos para teste, baixei meus aplicativos e constatei que perdi todos os meus mementos do Neko Atsume T_T. Também ainda não recebi o Gear VR que vem de graça ao comprar o celular (segundo a Samsung, pode demorar até 6 semanas), para dizer se é ou não um atrativo da marca.
Na verdade, o que eu mais quero é esse dure ao menos minha meta de 5 anos, chega a ser ofensivo um objeto tão caro ser tão descartável.

foto tirada com o carro em movimento - museu de ciências, dallas
landscape - draper, utah
selfie (câmera frontal)
macro
urban landscape - dallas, texas
baixa luminosidade
Deixei todas as fotos do post sem filtros (também não utilizei nenhum aplicativo para brilho, contraste, nitidez, etc), para mostrar exatamente a qualidade das fotos do aparelho (e seus pontos fracos). Todas foram tiradas no modo automático, lembrando que a câmera possui também modo profissional - outra coisa que sentia muita falta no Iphone.
Aproveitei o novo incentivo fotográfico para dar uma organizada no feed do instagram. Se quiser ver mais exemplos de fotos com o s7, segue lá: @kari_pss.
Tecnologia do Blogger.