Top picks

sample67

Diarinho

sample84

Resenhas

sample68

Brasil x EUA

sample68

Viagens

sample68

Listas

Mostrando postagens com marcador ano novo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ano novo. Mostrar todas as postagens

Restrospectiva 2017

Eu tinha uma resolução para 2017. Direta, plausível, uma só. Parecia simples. Afinal, quão difícil pode ser seguir apenas uma direção? O que poderia dar errado quando se tem apenas uma meta a cumprir?
Respondo: Pode ser muito difícil, muita coisa pode dar errado.
Ainda mais quando seu único objetivo é se fazer feliz.


Eu não quero cuspir para cima e dizer que 2017 foi um ano horrível, porque, juro, não foi. Sequer entrou para a lista dos top 5 (alor, 2013!). Não, 2017 foi mais um daqueles anos de aprendizados tapas na cara. O ano que a vida me olhou e disse "então você acha que já cresceu tudo que tinha para crescer? HA."

A boa notícia é que ele acabou e eu o venci. Ok, vencer é uma palavra forte. Meio capenga, insegura dos próximos passos, ao menos eu o terminei.
fonte: Sarah's Scribbles
Em 2017 eu quis muitas coisas. Veja bem, foram muitas coisas mesmo. E consegui várias delas. Só que apenas uma mão cheia me preencheram, poucas me trouxeram a paz interior que eu imaginava alcançar. E o ruim de querer várias coisas é que, se elas não te trazem algum conforto, você não deixa de querer. Pelo contrário, você acaba querendo ainda mais. Alguma hora há de preencher, certo?
Fuén, errado.

Então eu fiz o que qualquer homo sapiens em sã consciência faria: eu reclamei. Minha nossa, como eu reclamei nesse 2017. Reclamei demais e, pra ser bem sincera, ainda não consegui parar totalmente.
Porque nada estava bom, nada estava completo, nada estava perfeito.

Da onde eu tirei essa ideia maluca de que deveria ser perfeito, eu não saberia dizer. O que outrora me fascinava - essa habilidade que a vida tem, de dar voltas quebradas por caminhos atravessados -, agora só conseguia me deixar cada vez mais ranzinza. Quando olho para trás, percebo que não bastava tudo estar bem, as coisas estarem dando certo. Elas tinham de dar certo do jeito que eu queria. Isso mesmo, uma receita prontinha para a frustração.


Como se não bastasse, eu ainda passei boa parte do ano me cobrando. Me importando demais com coisas materiais. Me alimentando mal. Fazendo atividades que me deprimiam. Aturando gente mesquinha. Odiando gente mesquinha. Resumindo, retrocedendo de tudo que havia evoluído nos últimos 4 anos.

Não vou negar, fiz amigos excelentes nesse 2017. Arrisco dizer que amigos para a vida toda. Gente capaz de me colocar pra cima, assim, num estralar de dedos. Só que foi nesse ano que eu conheci o lado detestável dos americanos também.
Pudera, até 2016 eu estava presa e segura nessa redoma feliz que são os amigos do marido. Gente que, mesmo eu quase nunca encontrando hoje em dia, sempre manda lembranças, presentes, docinhos (me alimentar é o caminho mais rápido para o meu coração).
Dai lá fui eu, voar com as minhas próprias asas. Enfiar-me em círculos duvidosos, munida apenas de um escudo afável e macio, todo construído em anos de hospitalidade brasileira. Me fodi. Passei aí, uns belos meses tendo de conviver com gente frívola, machista e desleal.
Graças aos deuses, passou. Cresci. Made my skin a little bit thicker.

Às vezes eu acho que trabalhar demais feat. estudar demais faz um pouco isso com a gente. Se deixarmos, claro, nossa vida vai ficando cada vez mais vazia, cada vez mais janta-banho-cama. All work and no play makes Jack a dull boy. E corremos para complementá-la de qualquer forma, nem que seja com sentimentos desconstrutivos. Punhados perecíveis de tudo; bens, amizades, amor próprio. Veja bem, veda o buraco temporariamente, mas pede a conta no final.

Ainda não querendo ser injusta com 2017, nesse ano eu me senti deveras recompensada pelo meu esforço. Nesse ano eu fui muito amada, se não por mim, pelas pessoas que eu mais quero bem. Nesse ano eu me provei várias vezes, para mim mesma e para os outros (não que precisasse). Nesse ano eu conquistei coisas que não imaginava que viriam tão cedo. Em 2017 eu arrisquei, aprendi, amei, cresci.

Pedaços de 2017: Hawaii - Canadá - Bear Lake

Acho que parte do segredo é saber se dar um desconto também. Li muito menos do que gostaria, e o Reading Challenge 2017 ficou pendente. Sei que foi graças ao mestrado, já que, antes de começarem as aulas, vinha mantendo um ritmo até aceitável de leitura. E não espero mudar isso em 2018. Pelo contrário, a faculdade ainda vai tomar longos 8 meses da minha vida, e só eu sei como é chegar em casa à meia noite, abrir o kindle e não sair do mesmo parágrafo até apagar completamente.
Não adianta querer dar um passo maior que a perna, muito menos perder a paz se culpando por não chegar lá.

Se eu ao menos tivesse me dado conta disso mais cedo.

Já disse aqui inúmeras vezes que lista de resoluções não são para mim e não vou recuar dessa vez. Mantendo a tradição do mantra único, sem muitas expectativas, fica o direcionamento para 2018: Está tudo bem diminuir o ritmo, parar de se cobrar, de querer mais, de buscar o inalcançável:

You gotta know just when to fold.

Adoráveis imprevistos 2016/2017

Foi lá no comecinho de 2016 que eu escrevi sobre ter aceitado, finalmente, que resoluções de ano novo não são para mim. Não foi um caminho fácil (não para uma obcecada por controle), mas 2015 havia me forçado a deixar a vida fluir e, de quebra, me mostrado que pisar fora da zona de conforto poderia sim resultar em surpresas agradáveis.
E nessa vibe, lá em Janeiro/16, decidi jogar o bullet journal em um canto esquecido do armário, e começar o ano apenas com uma lista simples de 4 diretrizes - não metas - para o ano. Veja só, 2016 não teria planos, mas tampouco teria restrições.
No fundo, era um projeto ousado com pinta de preguiçoso. Porque o deixa a vida me levar, vida leva eu parece fácil, mas, para a neurótica aqui, sempre soou algo como contornar um abismo com os olhos vendados. Pelo menos eu poderia me confortar no fato de que, caso quisesse/precisasse mudar qualquer coisa no meu ano - mesmo que fosse para virar 180° -, não haveria qualquer frustração associada a uma lista pré-estabelecida. O objetivo era mesmo ver no que dá, com o bônus de testar toda aquela espontaneidade positiva ensaiada por 2015.


Deu certo. 2016 não teve planos, expectativas, não seguiu qualquer textbook e, ainda assim, foi um dos melhores anos da minha vida. Tudo ocorreu como o planejado, ou melhor, não planejado. Um ano inteiro levado no susto. Doze meses de adoráveis imprevistos.

E qual o poder de uma lista afinal? A intenção, lá no começo, não era ficar e casar, não esse ano. Estivesse nas metas -voltar para o Brasil, teria feito alguma diferença? E -mudar de estado? Todo o apego que eu tenho hoje em dia por Utah (quase inexistente em jan/16) seria diferente? Estaria acompanhado de frustração? Porque, cá entre nós, é muita pretensão do dia primeiro querer saber tudo o que a gente deseja para os outros 364.

2016 não teve lista, mas teve aproveitar mais o momento. Teve menos consumismo. Teve viagens, tempo com a família, mais estudos e leituras. Em contrapartida, teve ansiedade, desorganização, pressa, saudade. E eu quero 2017 do mesmo jeitinho; sem planejamento, com os níveis de lágrimas e risadas sendo ajustados ao longo do percurso.


Por isso, pensei em fazer um pouco diferente esse ano. Não vou sequer enumerar diretrizes, 2017 vai ter apenas um mantra: Faça mais daquilo que te faz feliz. Pode significar qualquer coisa, e ser regulado conforme as mudanças internas/externas. Um dia pode ser estudar mais, assim como, num outro, pode ser me dar mais tempo de descanso. Sair mais com os amigos, ou passar mais tempo debaixo das cobertas, somente na companhia de um livro. Cozinhar uma comidinha saudável, ou saborear um big mac repleto de sódio. As possibilidades são infinitas.

Se o objetivo final é otimizar a satisfação pessoal minimizando frustrações, que venha 2017 sem expectativas. E que o ano tenha espaço para surpreender mais uma vez .

Resoluções

Já tem um tempo que eu descobri que resoluções de ano novo não são para mim. Em primeiro lugar, minha memória é péssima e, por mais que eu escreva uma dúzia delas, a chance é que eu não me lembre de uma sequer já no dia primeiro. Além disso, já foram 31 anos tomando na cara aprendendo que a vida percorre rumos inesperados demais para eu cogitar seguir uma lista. Coisa de passar o réveillon de 2015 derretendo num calor sufocante, e estar na janela nas primeiras horas de 2016, olhando a neve cair lá fora.


O fato é que, mesmo não tendo uma lista para seguir, me bateu essa sensação de ter deixado coisas inacabadas demais esse ano - algumas por teimosia, muitas por preguiça, uma ou outra por imaturidade. Convenhamos, 2015 foi um ano que passou e a gente nem viu, mas, apesar de rápido, a maioria das pessoas que eu conheço não via a hora de estar livre dele. Veja bem, não detestei 2015 - pelo contrário, foi um dos melhores anos -, mas achei que seria bom, se não fazer uma lista de resoluções, pelo menos deixar registradas algumas diretrizes para aquilo que me incomodou e eu não queria que se repetisse.

Menos debates políticos
Eu cansei. Aliás, eu cansei há muito tempo, mas sempre tive aquele senso de obrigação moral para saber de todas as notícias, buscar argumentos, ter uma opinião política formada. Não quero mais. Eu não sei se isso me faz uma pessoa completamente alienada ou não, mas certamente me faz uma pessoa mais feliz. Claro, ainda acho o Trump um completo idiota, a Dilma uma cabeça de vento e o Alckmin um lobo em pele de cordeiro, mas eu não preciso estar informada sobre tudo que os envolve o tempo todo. Dado que já vou ser obrigada a "exercer meu direito de cidadã" em Outubro, a época de campanha política é o suficiente para me inteirar sobre política e votar em paz, sem alardes.

Mais fotos
Se você reparar no meu instagram, vai perceber que tem épocas em que eu tiro quase uma foto por dia (ou até mais) e então meses que não surge um post sequer. Pois é, esse é um dos indicativos se estou passando por dias bons ou ruins, e, de alguma forma, isso me incomoda absurdo. Tirar uma foto é prestar atenção, reparar nos detalhes, se deixar sentir algo. E quando eu estou passando por uma época ruim, eu acabo vivendo no automático, deixo de sentir e sigo quase o tempo todo de olhos fechados para tudo. Não que eu queira estipular uma meta tipo 365project, já falei ali em cima da minha dificuldade com listas, mas desejo reparar ao meu redor e tirar mais fotos em 2016, mesmo nas semanas difíceis.

Mais amor
Não tem jeito, eu sou uma pessoa de extremos. Eu amo muita coisa, mas odeio um monte delas também. E eu sempre quero deixar isso muito claro, o que acaba gerando várias animosidades (por exemplo, estou terminantemente proibida de expressar minha opinião negativa sobre Star Wars aqui em casa). Minha intenção sempre foi encontrar outras pessoas com as quais eu pudesse me identificar, mas, sendo captain obvious aqui, não vale a pena. Unir pelo amor conta muito mais pontinhos na escala social e, admito, é muito mais gostoso. Pretendo diminuir drasticamente minhas manifestações negativas em 2016 e procurar me focar mais nas coisas que eu amo.

Menos expectativas
Crie gatinhos, cachorrinhos, um pinterest organizado, mas não crie expectativas. Pois é, eu fui uma verdadeira apicultora de expectativas em 2015 e... deu tudo errado. Admito que o resultado acabou saindo muito melhor, mas ainda assim, eu sofri um monte no caminho. Expectativas são boas se trabalhadas com probabilidades e, de preferência, uma probabilidade próxima a 99,99% de acontecer o que você quer. Em 2016 pretendo esperar menos das pessoas, das situações, da minha própria sorte.


Acho que é isso. Parece curta, mas, de novo, isso não é uma lista de resoluções. Para mim, já estaria ótimo se 2016 me surpreendesse positivamente tanto quanto 2015 foi um boom na minha cara. Feliz 2016!
Tecnologia do Blogger.